Covid-19: como os hábitos nas redes sociais estão mudando

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn

A pandemia encorajou muitos de nós a pensar sobre nossos hábitos nas redes sociais e como eles afetam nossas vidas. Analisamos como os consumidores estão se sentindo sobre essa questão usando o Brandwatch Consumer Research.

Doomscrolling, tédio, conexão, inspiração, entretenimento. Essas são apenas algumas das razões pelas quais as pessoas sentiram o desejo de navegar na internet durante a pandemia neste ano de 2020.

Mas, com mais pessoas online durante mais tempo, como elas se sentem a respeito disso?

O cansaço está aumentando nas redes sociais

consumer tech report de 2020 da Brandwatch descobriu que muitas pessoas estão pensando bastante sobre o tempo que passam usando seus dispositivos. A pesquisa de outubro do Brandwatch Qriously com 7.478 pessoas nos EUA, México, França, Reino Unido, Espanha, Alemanha, Austrália e Cingapura revelou que 14% dos entrevistados gostariam de reduzir o uso de tecnologia. Esse número aumentou para 18% para pessoas entre 18 e 36 anos.

Isso ecoou nas redes sociais.

Usando a plataforma Consumer Research, foram estudadas menções em inglês relacionadas ao tempo gasto online de 1º de janeiro de 2014 a 31 de outubro de 2020. Descobrimos que o cansaço tem aumentando nas redes sociais e alguns aplicativos específicos. As menções ao cansaço nas redes sociais (por exemplo, ficar entediado, cansado ou exausto) aumentaram 41% nos últimos 10 meses em comparação com os 10 meses anteriores.

Criado com Brandwatch Consumer Research Brandwatch React

Essas estatísticas nos dizem que, embora possamos estar usando mais tecnologia, isso não significa necessariamente que estamos gostando da experiência. As pessoas estão começando a reavaliar o uso dos dispositivos eletrônicos.

O vício nas redes sociais

Também observamos que a quantidade de pessoas discutindo o quanto estão viciadas em redes sociais e aplicativos aumentou 48% nos últimos 10 meses em comparação com os 10 meses anteriores.

Criado com Brandwatch Consumer Research Brandwatch React

O tédio que fez com que nossos dedos rolassem pelos feeds das redes sociais (mil menções), mas as notícias (2 mil menções) e a conexão com outras pessoas por meio de tendências e aplicativos também tiveram sua influência (29 mil menções) de 1º de janeiro a 31 de outubro de 2020.

Isso mostra como pessoas que dizem que estão viciadas em redes sociais podem ter motivos diferentes – enquanto algumas reconhecem que estão perdendo tempo, outras estão comemorando o que estão aprendendo e as conexões que estão fazendo.

Dois aplicativos mais notados nestas conversas foram o TikTok e o Houseparty. Ambos chegaram ao estrelato quando precisávamos deles, em março e abril, respectivamente.

Nas redes sociais, foram encontrados 45 mil menções de pessoas discutindo seu vício em Tiktok e 3 mil de pessoas que encontraram sua vocação no Houseparty.

Falando mais seriamente, descobrimos que neste ano as pessoas estão mais conscientes sobre seu tempo olhando para as telas e seus hábitos nas redes sociais. Nos últimos dez meses, encontramos 13 mil menções de pessoas monitorando seu uso de redes sociais em conversas sobre vícios, um aumento de 23% em comparação com o mesmo período de 2019.

Doomscrolling (navegar por notícias negativas)

Doomscrolling foi carinhosamente nomeado em março para descrever a necessidade implacável de consumir uma procissão interminável de notícias online negativas, enquanto a pandemia começava a se espalhar pelo mundo.

Quando analisamos as menções em inglês do termo nas redes sociais usando nossa plataforma Consumer Research, encontramos 144 mil menções deste termo de 1º de janeiro a 8 de novembro de 2020.

Recentemente, o uso atingiu um novo recorde. Foram 45 mil menções de pessoas que admitiram serem culpadas de doomscrolling na primeira semana de novembro.

Criado com Brandwatch Consumer Research Brandwatch React

Na verdade, foi em parte graças às eleições nos Estados Unidos que o termo se tornou tão amplamente usado. A política dos EUA foi uma grande impulsionadora nas conversas sobre o apocalipse nas redes sociais, com 18 mil menções à eleição, “Biden” e “Trump” juntos com o termo entre 1º de junho e 8 de novembro de 2020.

Essa conversa atingiu um pico na semana passada (12 mil menções) enquanto o mundo esperava pelo grande resultado da eleição, o que não foi nenhuma surpresa.

No final das contas, as conversas sobre o apocalipse nas redes sociais realmente focaram em quão prejudicial é o hábito. Entre 1º de março e 8 de novembro de 2020, encontramos 62 mil menções sobre parar com o doomscrolling.

Também descobrimos que as conversas se concentraram em como o doomscrolling afetava o bem-estar:

  • Níveis de estresse elevados – 3 mil menções
  • Maior ansiedade – 5 mil menções
  • Falta de foco e produtividade prejudicada – 6 mil menções

Sair das redes sociais para obter maior clareza

Com 2020 tendo sido tão divisivo, algumas pessoas estão pensando em excluir completamente suas contas nas redes sociais ou apenas alguns aplicativos para ter um pouco mais de tranquilidade em suas vidas.

Na verdade, a discussão sobre a exclusão de aplicativos ou redes sociais aumentou 22% nos últimos 10 meses em comparação com os 10 meses anteriores.

Criado com Brandwatch Consumer Research Brandwatch React

Essa é uma grande diferença. As razões citadas incluíram política (42 mil menções), censura (57 mil menções), se sentir sobrecarregado (63 mil menções) e saúde mental (137 mil menções). Tudo parecia relevante em 2020.

A pandemia se infiltrou em todos os aspectos de nossas vidas, incluindo nossa presença online e interação nas redes sociais. Queremos ficar conectados e informados nestes tempos turbulentos, mas isso pode ser difícil com a enxurrada constante de más notícias.

Como isso se traduz em ação ainda está para ser descoberto.

A Polis Consulting representa oficialmente a Branwatch no Brasil. Para mais informações sobre a plataforma de social intelligence, entre em contato conosco através do e-mail info@polisconsulting.com.br ou aqui em nosso site.

Gostaram? Nos acompanhe nas redes sociais para mais posts!

@polisconsult no Twitter

@polis_consulting no Instagram

Polisconsulting.com.br no Facebook

Polis Consulting no LinkedIn

Siga a Polis:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Acesse aqui o seu report

Preencha os dados abaixo para acessar os relatórios: