Elon Musk se torna o maior acionista do Twitter

No último dia 4, o bilionário Elon Musk comprou 9% das ações do Twitter. Veja alguns insights sobre o assunto!
Elon Musk compra o Twitter
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn

O empresário Elon Musk decidiu, no dia 4 de abril, comprar algumas ações do Twitter. Segundo o portal UOL, o fundador da Tesla comprou quase 74 milhões de ações do Twitter por um total de US$ 2,89 bilhões, ganhando uma participação de quase 10% na empresa. 

Desde então, as ações da rede social saltaram de cerca de US$ 39,30 na sexta-feira (1) para um máximo de US$ 48,60 na segunda-feira (4), um aumento de quase 26%.

Elon Musk, além de ser um dos homens mais ricos do mundo, é dono da Tesla, SpaceX e algumas outras empresas. Com mais de 80 milhões de seguidores no Twitter, Musk já questionou o compromisso da rede social com a liberdade de expressão e compartilhou algumas ideias para incorporar na rede social, como a possibilidade de edição de tweets e uma assinatura premium.

  • Liberdade de expressão (enquete)
  • Edição de tweets (enquete)

Mesmo sendo atualmente um dos maiores acionistas do Twitter, Musk não aceitou a proposta de participar do Conselho Administrativo da plataforma. De acordo com o CEO do Twitter, Parag Agrawai: “A nomeação de Elon ao comitê seria oficializada em 9 de abril (sábado), mas Elon informou naquela manhã que não faria mais parte do conselho. Acredito que isso seja para o melhor. Temos e sempre valorizamos a contribuição de nossos acionistas, estando ou não em nosso conselho. Elon é nosso maior acionista e continuaremos abertos às suas contribuições”

Saiba o que as pessoas falaram sobre a nova aquisição de Elon Musk no universo digital!

+++Grammy 2022 entra para os Trending Topics do Twitter

Análise geral: Elon Musk compra Twitter

Usamos a plataforma Brandwatch, nossa parceira, para rastrear as conversas sobre o “Elon Musk compra Twitter” entre os dias 29 de março e 11 abril de 2022. Ao todo, foram cerca de 106,5 mil menções ao assunto, um aumento de 144% em relação ao período anterior. Enquanto isso, foram registrados cerca de 52,7 mil autores únicos, o que representa um aumento de 66%.

Elon Musk - gráfico de menção

É possível notar que o pico de menções a “Elon Musk e Twitter” ocorreu no dia 5 de abril, quando foi anunciado que o empresário foi chamado para se juntar ao conselho administrativo do Twitter, um dia após a compra das ações.

Entre os dias 29 de março e 11 de abril de 2022, os tópicos mais frequentes em relação a Elon Musk ter comprado o Twitter foram “liberdade de expressão no twitter”, “administração do twitter” e “Donald Trump”. O último termo está em alta porque as pessoas se questionam se Musk permitirá que o ex-presidente dos Estados Unidos retorne à rede social, o qual havia tido o seu acesso negado por conta da propagação de fake news. 

  • Liberdade de expressão no twitter
  • Administração do twitter
  • Donald Trump

Além disso, entre as notícias coletadas pela Brandwatch, as mais populares foram: “Elon Musk desiste do Conselho de Administração do Twitter”, da Forbes Brasil, e “Subida das yields penaliza índices em Wall Street. Nasdaq cai mais de 1%”, do portal Economia Online.

As plataformas onde as pessoas mais comentaram sobre o assunto foram: Twitter (93%), portais de notícias (5%), Facebook (1%) e Reddit (1%).

Gráfico de plataformas

Quem está falando sobre a compra do Twitter?

Ao analisar as menções ao tema em português, nota-se que cerca de 69% dos autores se identificam como homens, enquanto os outros 31% são mulheres. Os principais autores únicos verificados são portais de notícias como: G1, Veja, Folha e Estadão.

Elon Musk - gráfico de gênero

Os autores únicos analisados também se interessam por temas como música (11%), negócios (11%), tecnologia (9%) e esportes (9%). Além disso, trabalham como professores (25%), executivos (22%), artistas (13%) e desenvolvedores de software (11%).

Já os países que mais falaram sobre a compra do Twitter pelo Elon Musk em português foram: Brasil (83%), Estados Unidos (6%), Portugal (2%) e El Salvador (1%). 

Gráfico de países

Saiba mais em Polis Consulting

Siga a Polis: